FRENTISTAS defendem unidade do Movimento Sindical para barrar ataques do capital

O presidente da FENEPOSPETRO e do SINPOSPETRO-RJ, Eusébio Pinto Neto, abriu ontem (27), no Distrito Federal, o II Encontro Nacional dos Empregados em Postos de Combustíveis e Lojas de Conveniência. O principal objetivo do evento que segue até amanhã, quarta-feira, é unificar a luta dos trabalhadores Frentistas. A categoria está reunida para debater propostas e avançar na estruturação da categoria para reverter absurdos como o trabalho intermitente, implementados pela “reforma” trabalhista.

A mesa de abertura do encontro contou com as presenças do ex-ministro Aldo Rebelo, representando a direção nacional do PSB; da presidente nacional da Fundacentro, Leonice Alves da Paz; do presidente da FEPOSPETRO, Luiz Arraes, representando o presidente da CNTC; o presidente do Sindicato dos Frentistas de Brasília e secretário-geral da FENEPOSPETRO, Carlos Alves dos Santos; o presidente da Força Sindical de Brasília, Carlos Alberto, representando o presidente nacional da Central; a advogada da FENEPOSPETRO, Augusta Raeffray; e o presidente da Federação Nacional dos Frentistas, Eusébio Pinto Neto. Em emocionante momento solene, com todos de pé, foram executados o Hino Nacional Brasileiro e o Hino Nacional dos Frentistas.

“Bem-vindos ao nosso II Encontro Nacional dos Frentistas, desejo bom trabalho a todos nesses três dias, para juntos atravessarmos esse momento de dificuldades que traz grandes desafios. Nós Frentistas somos linha de frente nas pistas de todas as cidades brasileiras, conhecemos nossa missão, pois nunca tivemos moleza na vida. Em 4 de março de 1990 fundamos a FENEPOSPETRO, hoje são 62 sindicatos, tenho satisfação de estar com saúde para podermos usufruir dessa ferramenta de lutas. Alguns dos dirigentes presentes, outros não, foram fundamentais para conseguirmos a carta sindical, foram dias de penúria onde estávamos desprovidos de tudo, hoje a nova geração de sindicalistas da categoria tem ótima estrutura para atuar e fazer trabalho de base”, frisou o histórico sindicalista, Eusébio Pinto Neto.

E emendou, “esse momento exige reflexão, foi com muita luta e determinação que chagamos aqui. Não posso deixar de citar o companheiro Francisco Soares de Souza, que é fundamental nessa construção, assim como foi o lutador Antônio Porcino, que infelizmente não está mais entre nós. Sabemos bem qual é a importância da organização social e da luta permanente contra o patronato, por isso sofremos grandes ataques do capitalismo. Mas acredito que vamos vencer, seremos vencedores porque nas nossas veias corre o sangue do sertanejo, do negro e do índio, de um povo alegre e miscigenado que sabe lutar. Para chegarmos aqui muito sangue foi derramado, muitas prisões, não vamos desanimar, é hora de ter ânimo, vamos dar a volta por cima e reorganizar as forças, o povo que constrói esse país vai retomar seu espaço e fazer dessa nação uma Democracia Soberana”.

Para o grande aliado dos frentistas, autor da lei que há 17 anos proibiu o self-service no país, o ex-ministro Aldo Rebelo, “Hoje o Brasil passa por uma crise nunca vista, a luta da maioria foi praticamente esquecida, a agenda agora é das minorias, o que une o povo e a sociedade é pouco valorizado. Parabéns para a categoria dos Frentistas que jamais permitiu ou permitirá que empresários tentem, como tentaram implantar o self-service. Lembro quando empresários falavam que éramos contra a tecnologia, mas é evidente que essa tecnologia gera insegurança, é necessário manusear um material perigoso e toxico. Após tantas lutas, hoje vocês são uma categoria organizada, consciente e de luta. Agora é brigar para unirmos o Brasil pela retomada da economia e do desenvolvimento, e em defesa das garantias constitucionais em defesa dos trabalhadores. Nessa democracia de fachada, onde não existe educação e saúde para todos, precisamos enfrentar tudo isso”, defendeu o líder do Partido Socialista Brasileiro.

Segundo a presidente nacional da Fundacentro, Leonice Alves da Paz, “Não tem como falar de trabalhadores, sem falar de saúde, cumprimento toda a categoria, é um privilégio estar aqui com tantos dirigentes aguerridos. A Fundacentro completou 51 anos de segurança e saúde do trabalhador, estou aqui na condição de Frentista e em defesa de mais conquistas sociais”. O presidente da Federação dos Frentistas do Estado de SP, Luiz Arraes, lembrou em tom descontraído que Aldo além de ter exercido quase todos os principais cargos políticos também é vaqueiro e forrozeiro. “Estamos ouvindo da Rede Globo que está ocorrendo uma retomada do crescimento, mas onde? Só se for para favorecer os empresários e latifundiários, para o trabalhador nada. É sempre necessário alertar para quem esse governo está trabalhando. O momento é de muitas dificuldades, mas essa reforma trabalhista só pega se não tiver luta, nos agora precisamos ir para a base. É nesse encontro que vamos tirar uma estratégia, podemos inclusive sair mais fortalecidos quando enfrentarmos e vencermos essas batalhas. Nossa categoria é reconhecida nacionalmente pelo espirito de luta. É hora de mostrar que temos força, que o sindicato é nossa trincheira”.

O presidente do Sindicato dos Frentistas de Brasília e secretário-geral da FENEPOSPETRO, Carlos Alves dos Santos, entende que “a categoria vai sair mais fortalecida do encontro, estamos sofrendo o maior roubo da história contra a classe trabalhadora. Lamentavelmente ainda existem trabalhadores que compram a versão da mídia golpista e diz que o sindicato não é mais necessário. Precisamos nos reinventar e seguir alertando o trabalhador que a mídia comercial mente”. Para o presidente da Força Sindical de Brasília, Carlos Alberto, “o self-service foi a maior vitória do sindicalismo nos últimos 20. Agora precisamos voltar a ocupar as ruas para defender nossos interesses, estão dizendo que somos a geração geleia, não podemos permitir, temos que fazer mobilizações para barrar e reverter essa realidade”.

A advogada da FENEPOSPETRO, dr. Augusta Raeffray, alerta que estão promovendo o desmonte da Justiça do Trabalho, “hoje somos advogados militantes, essa é uma necessidade de todos os advogados do campo trabalhista, meu pedido é para que todos os advogados sejam agora militantes para defender a constituição e os direitos trabalhistas. Também precisamos que os dirigentes fiquem atuando nas bases, existe a necessidade de os trabalhadores voltarem ou ingressarem nos sindicatos”.

Por fim, Eusébio Pinto Neto agradeceu as diversas delegações e registrou a alegria pelo encontro, “temos pouca convivência, quando temos esses encontros, o conteúdo e a interação são muito importantes. Sou presidente, mas primeiro sou Frentista, estamos juntos para lutar na pratica pela unidade dos Frentistas e do movimento sindical. Deposito minhas esperanças na nova geração de dirigentes que estão assumindo novas direções, cumprimento especialmente o presidente do Sindicato dos Frentistas de Niterói, Alex Santos. Também quero parabenizar os advogados da Federação que desempenham papel fundamental na luta do movimento sindical. Representando todas as mulheres lutadoras, parabenizo a guerreira Aparecida Evaristo, vice-presidente do Sindicato dos Frentistas do RJ. Espero tirarmos aqui nesse encontro, norte para as lutas. Frentistas são linha de frente, viva os trabalhadores Frentistas”.

Hoje (28) o encontro segue com diversas palestras, debates e grupos temáticos. Acompanhe a transmissão ao vivo no endereço: https://www.facebook.com/Fenepospetro-1786765631587858/

* Daniel Mazola, assessoria de imprensa FENEPOSPETRO

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *