Parceria do Sinpospetro Campinas com Sindimed orienta frentistas sobre como se proteger dos efeitos nocivos do benzeno

Cerca de 30 frentistas do Posto 3 Vias, em Campinas-SP, participaram, nesta quinta-feira (25), de uma palestra sobre os efeitos nocivos provocados pelo benzeno à saúde dos trabalhadores em postos de gasolina. A iniciativa é do Sinpospetro – Campinas em parceria com o Sindimed-Sindicato dos Médicos de Campinas e Região. A programação, a cargo do médico sanitarista Dr. Pedro Tourinho e do Secretário de Saúde e Segurança do Trabalho da Federação Estadual da categoria – Fepospetro, Raimundo Nonato de Sousa (Biro), incluiu a exibição do vídeo ” Frentista, Olhe o Benzeno na Pista”, produzido por órgãos e entidades de proteção ao trabalhador em parceria com Sinpospetro, e debate orientativo sobre as formas corretas de proteção. O encontro  é resultado de projeto que visa levar a palestra informativa aos postos das 28 cidades que compõem a base territorial do sindicato.  Durante o curso, o médico Pedro Tourinho explicou que os trabalhadores de postos de combustíveis são os mais vulneráveis aos efeitos nocivos do produto químico, mas ressaltou que no entanto, existe prevenção ” Os efeitos são minimizados a partir do momento em que se diminui o grau de exposição” disse. Raimundo Nonato “Biro”, que acabara de retornar de reunião da Comissão Nacional do benzeno (CNPBz), no Rio de Janeiro, informou os trabalhadores sobre as deliberações do encontro, como a implementação, em 3 anos, de nova tecnologia vai retirar da zona de respiração dos trabalhadores vapores liberados pela gasolina. O frentista Silvio Cesar Castro, 45, trabalha no Posto há 20 anos sem saber que cheirar a tampa do compartimento de gasolina dos carros aumenta os riscos de contaminação pelo benzeno: “Não sabia dos riscos e por isso nunca me protegi. A partir de agora vou me cuidar”, contou agradecido. Já o também frentista Elton Moraes, de 27 anos, disse saber dos riscos por já ter participado de uma palestra anteriormente, em outro posto: “Sei que a contaminação se dá através da respiração e contato com a pele e por isso tomo muito cuidado, me afastando do bico da bomba na hora de abastecer, por exemplo” contou. Em duas semanas, a palestra será aplicada em mais um Posto de Gasolina: “O trabalhador sem treinamento para lidar com produtos tóxicos como a gasolina, sofre mais risco de contaminação pelo benzeno”, analisa Biro.

PRESERVAR A SAÚDE DOS FRENTISTAS É BANDEIRA DE LUTA DA CATEGORIA DE TODO O PAÍS
O benzeno é um dos componentes da gasolina e é altamente tóxico e pode penetrar no corpo principalmente através da respiração, da pele e também por ingestão. Os frentistas, pelo contato diário com o produto e sem as devidas precauções, são trabalhadores altamente vulneráveis à contaminação, que pode provocar câncer, alteração e diminuição das células do sangue, tonturas, mal estar, dor de cabeça, fraqueza, enjoo, entre outros problemas de saúde.Como não existe tratamento, o mais importante é a prevenção. Medidas de proteção coletiva adotadas no processo de trabalho para minimizar a exposição e medidas de proteção individual contribuem decididamente na prevenção da intoxicação.
Como se proteger:
– No momento de abastecer, usar bico da bomba no modo automático e se afastar do local;
– Não utilizar panos, flanela ou estopa;
– Lavar sempre e muito bem as mãos, principalmente nos momentos das refeições;
– Se tiver que lavar a roupa de trabalho em casa, não as misture com as demais roupas, lave-as separadamente;
– Jamais retire combustível de um tanque ou outro recipiente aspirando o líquido com a boca. Use bomba de sucção adequada.

Assessoria de Imprensa Sinpospetro Campinas – Leila de Oliveira

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *