Cumprindo agenda institucional em Brasília, Frentistas apoiam a greve dos caminhoneiros

Defendendo os interesses da categoria Frentista e solidários a greve dos caminhoneiros, o presidente da Federação Nacional dos Frentistas Eusébio Pinto Neto e diretores participaram ontem (23) em Brasília de intensas atividades Institucionais, incluindo audiência com o Ministro do Trabalho, Helton Yomura.

No período da manhã, os dirigentes Eusébio Pinto Neto, Luiz Arraes, Wellington Bezerra, Antonio do Lago, Severino Pessoa e o advogado Helio Guerardi estiveram presentes em Audiência Pública na “Comissão de Minas e Energia” para debater sobre a situação da política dos preços dos combustíveis no Brasil.
Durante a Audiência Pública ocorreram varias exposições de representantes da ANP, CADE, Petrobras e FECOMBUSTIVEIS. Os debates interagiram entre representantes de entidades e deputados presentes, ficou claro que existem divergências diante da política de preços praticada atualmente, com uma estrutura complexa e com varias práticas erráticas que implicam no encarecimento dos combustíveis. O preço final do combustível é fruto de diversos tributos, da prática de cartel, logística, sonegação, notas frias e falta de transparência das distribuidoras.

Em seguida, às 11h30 os sindicalistas participaram do lançamento das “Ações de Políticas Públicas de Emprego do 1º Semestre de 2018”, promovido pelo Ministério do Trabalho. Durante o evento foram apresentadas varias iniciativas do MTE no sentido de implementar ferramentas tecnológicas para agilizar o processo de aprendizado, fiscalização e outros serviços.

Às 19h ocorreu reunião com o Ministro do Trabalho, Helton Yomura, “além de apresentarmos ideias para enfrentar a grave conjuntura política e econômica, conforme pauta pré-estabelecida, levamos varias demandas inerentes a nossa categoria, discutimos e encaminhamos propostas para resolvê-las”, explicou Eusébio Pinto Neto.

“Hoje discutimos os preços dos combustíveis com nossos governantes e parlamentares, falamos da alta carga de impostos, do fechamento de postos de combustíveis e das constantes demissões de trabalhadores Frentistas. A realidade para a categoria e demais trabalhadores do Brasil é gravíssima, a greve dos caminhoneiros é uma clara resposta a essa dura realidade imposta por uma política econômica desastrosa”, disse o presidente da FENEPOSPETRO Eusébio Pinto Neto.

Segundo o dirigente da Federação “O Preço dos combustíveis afetam toda a cadeia produtiva, estamos com altos índices de desemprego na categoria, o consumo segue em baixa, começa a faltar comida na mesa dos trabalhadores. Vale lembrar que quando Temer emplacou a Emenda Constitucional 95, conseguiu estabelecer o congelamento dos gastos públicos por 20 anos, maldade perpetrada sobre o conjunto de políticas públicas. Suas repercussões mais graves recaíram sobre a população pobre. Combinado com isso, o desemprego alcançou índices que não eram conhecidos no Brasil, tendo direta responsabilidade nesse processo de empobrecimento”.
Eusébio Pinto Neto explica que tinha agenda marcada para atender as demandas da FENEPOSPETRO nessa quinta-feira (24), “mas diante das manifestações dos irmãos caminhoneiros retorno ao Rio de Janeiro para nos engajarmos a luta desses trabalhadores. Precisamos nos unir e dar apoio ao movimento dos camaradas de pista, só com lutas e greves a classe dominante recua e cede às justas reivindicações da classe trabalhadora. Todo poder pertence ao povo”.

* Daniel Mazola, assessoria de imprensa FENEPOSPETRO

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *